Fobia social - O limite entre a timidez e psiopatologia
Postado em | Escrito por: Romildo Ribeiro de Almeida
1 Comentáro

Normalmente quando vemos um adolescente ou uma criança tímida, dizemos: Puxa, que gracinha! Como ele é educadinho, bem comportado! Enfim, só desfiamos elogios. Mas quando essa criança ou adolescente cresce e se torna um adulto, essas características que antes víamos como qualidades, viram defeitos. Daí dizemos: Nossa! Como ele é sisudo e anti-social!

A timidez, longe de ser uma característica de bom comportamento e educação, pode esconder, na verdade uma personalidade insegura que teme ser avaliado pelos outros e por isso se fecha, preferindo a auto exclusão.

O tímido perde muitas oportunidades na vida, pois suas escolhas são feitas sempre no sentido de se proteger e assim, abrem mão de uma carreira profissional, um relacionamento afetivo, uma viagem etc. Muitas dessas pessoas usam a racionalização para justificar seu comportamento.

Assim é comum ouvi-las dizendo: Não gosto de excursões, não gosto de ir à restaurantes, essa cidade é muito perigosa, prefiro ficar em casa.

Quando a timidez chega a esse ponto ela passa a ser considerada como um transtorno psicopatológico chamado fobia social. A fobia social é um dos transtornos mais comuns e atinge principalmente os homens.

O que caracteriza a fobia social é que a pessoa se sente mal toda vez que é submetida a observação dos outros, quando faz qualquer coisa em público, por isso, o nome fobia social.

Pensem nos seguintes comportamentos: escrever, assinar um documento, falar, dirigir, cantar, fazer uma leitura numa reunião, comer e ser fotografado. Para muitos de nós, atividades como essas, são absolutamente normais, mas para um fóbico, é um verdadeiro tormento.

A família, muitas vezes, não compreende a gravidade da situação. Já vi muitas mulheres sozinhas em reuniões de casais, em festas e até viagens porque seus maridos simplesmente se recusam a sair de casa. Essas pobres mulheres se intitulam viúvas de maridos vivos.

Muitos casamentos poderiam ser preservados e restabelecidos se esse orgulho pessoal e ignorância, frente ao problema, desse lugar a informação e a busca de ajuda psiquiátrica ou psicológica.

Um dado preocupante é que a maioria dos homens que sofre de timidez e fobia social ingere bebida alcoólica como maneira de remediar o sintoma. Na verdade estão tomando bebida alcoólica como se fosse um antidepressivo.

Sendo assim, o alcoolismo, esse mal terrível que atinge milhares de pessoas, pode ter como causa a timidez e a fobia social.

Se você tem algum amigo ou parente que apresenta sintomas de timidez excessiva, que vive fechado em seus próprios medos, seja ele adolescente ou adulto, incentive-o a buscar ajuda psicológica. Afinal, dentro de um tímido ou de um fóbico se esconde uma pessoa normal com um grande potencial para ser feliz.

Entre em contato!


Uma resposta para “Fobia social – O limite entre a timidez e psiopatologia”

  1. Muito interessante.Meu pai disse que está vivo porque não sai de casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.