Alcoolismo e direcao
Postado em | Escrito por: Romildo Ribeiro de Almeida
0 Comentário

A propósito da lei seca… o que é alcoolismo?

O que você quer fazer: Dirigir ou beber? Fazer os dois não pode mais de acordo com a nova lei de 19 de junho deste ano. Quem for pego dirigindo com qualquer concentração de álcool será submetido a multa de R$ 955 e a suspensão do direito de dirigir por um ano, além de incorrer em infração gravíssima, com sete pontos em carteira.

A nova lei levanta a discussão sobre até aonde o Estado tem o direito de interferir na vida do cidadão. Conforme noticiou a Folha de São Paulo, um empresário obteve liminar na justiça que lhe garante o direito de não sofrer punições caso não faça o teste de bafômetro. Isso abre precedente para que outras pessoas também consigam o mesmo direito, o que colocaria a lei em xeque.

Mas afinal, por que as pessoas têm tanta necessidade de beber? O empresário em questão alega que costuma tomar uma média de dois chopes por noite e faz isso há 46 anos. Ora, quem bebe frequentemente, não importa a quantidade e não consegue parar de fazê-lo, é um alcoólatra.

De acordo com a OMS, o alcoolismo é uma doença crônica, caracterizada pela dependência da ingestão de álcool. Se um míope ou epiléptico não pode dirigir porque se o fizesse colocaria em risco a sua própria vida e a de outras pessoas, por que um alcoólatra poderia?

A verdade é que o comportamento do alcoólatra tem muito a ver com um mecanismo que na psicologia conhecemos como reforço positivo ou negativo. O reforço positivo refere-se ao comportamento de busca do prazer: quando algo é agradável a pessoa busca os mesmos estímulos para obter a mesma satisfação. O reforço negativo refere-se ao comportamento de evitação de dor ou desprazer. Quando algo é desagradável a pessoa procura os mesmos meios para evitar a dor ou desprazer, causados numa dada circunstância.

A fixação de uma pessoa no comportamento de busca do álcool, obedece a esses dois mecanismos acima apresentados. No começo a busca é pelo prazer que a bebida proporciona. Depois de um período, quando a pessoa não alcança mais o prazer anteriormente obtido, não consegue mais parar porque sempre que isso é tentado surgem os sintomas desagradáveis da abstinência, e para evitar o desprazer, a pessoa mantém o uso do álcool.

Então entre prazer e desprazer, vamos ficar com o prazer de saber que já houve  queda de 57% nas mortes por acidentes de trânsito, na capital, após a implantação da Lei Seca.

Entre em contato!


Deixe uma resposta